domingo, 17 de setembro de 2017

Os melhores lançamentos de 2 3 e 4 quartos do Espirito Santo até 120 meses p/ pagar

Separamos os melhores lançamentos de 2, 3 e 4 quartos na região do Espirito Santo com as melhores condições de pagamento em até 120 meses direto com a construtora e financiamento bancário em diversos bancos confira com um dos nossos consultores de investimentos.




sábado, 9 de setembro de 2017

7 curiosidades do mundo da arquitetura

O design arquitetônico é uma ferramenta mágica e bastante excitante. E como toda e boa artística feita pelos melhores arquitetos, há várias curiosidades que todo bom amante da arquitetura deve saber. Eis abaixo uma lista com algumas curiosidades do mundo da arquitetura:


Obra inacabada





Design eficiente



Prédios e turbinas


Design agressivo


Cantando na chuva



Parede multicolorida


Fases de crescimento


sábado, 2 de setembro de 2017

É possível comprar uma casa que ainda não foi quitada?


No caso de quitação, qual é o cálculo?

O que é o saldo devedor?


O que é amortização de financiamento imobiliário?

Os financiamentos a longo prazo são recursos muito utilizados no mercado imobiliário, permitindo parcelar os custos de aquisição de um imóvel e viabilizando a realização do sonho da casa própria para muitas pessoas. Fazer um financiamento não significa, porém, que você deva necessariamente levar o tempo determinado inicialmente para o pagamento da dívida, ou que o valor das parcelas precise ser o mesmo até o fim. A amortização de financiamento imobiliário nada mais é do que um adiantamento do pagamento do imóvel, reduzindo o saldo devedor perante à instituição credora, bem como os juros incidentes sobre este.
Os sistemas de amortização são uma ótima opção quando se tem recursos extras, possibilitando adiantar o pagamento das parcelas e acelerando a quitação do imóvel. Entenda melhor o que é a amortização de financiamento imobiliário e qual a melhor opção para você.

O que é amortização de financiamento imobiliário?

As parcelas de um financiamento são compostas de uma parte principal, correspondente à divisão do valor que foi emprestado ao longo do tempo de financiamento, além dos juros e encargos, como seguros e taxas operacionais. A amortização é utilizada como um recurso de redução do saldo devedor de um financiamento e possibilita ao devedor deixar de pagar as taxas de juros e encargos que incidiriam sobre a quantia amortizada. Os financiamentos imobiliários costumam apresentar duas formas para o pagamento da dívida:
Tabela SAC: corresponde à modalidade de atualização da parcela e é a forma mais utilizada de financiamento. Nesta, o saldo devedor e os juros do financiamento, definidos no ato da contratação, são atualizados de acordo com a Taxa Referencial.
Tabela Price: corresponde ao sistema de parcelas fixas que apresenta taxas mais altas, já que não há índice de correção.

Qual a melhor opção de amortização de financiamento imobiliário?

A amortização do financiamento pode ser realizada de duas formas: reduzindo-se o valor das parcelas e mantendo o prazo para a quitação do imóvel ou mantendo-se este valor e reduzindo-se o tempo do financiamento. A escolha entre estas duas depende do tipo de financiamento realizado e das particularidades financeiras do devedor.
Reduzir o valor das parcelas através da amortização é uma excelente opção para quem deseja um alívio no orçamento mensal. A redução no tempo de financiamento não implica em menores taxas de juros, de forma que não há necessidade ou vantagens em se reduzir o tempo de financiamento, principalmente quando o pagamento das parcelas está apertando o orçamento do devedor. Assim, principalmente para quem adota o sistema de parcelas fixas, a redução do valor destas pode ser uma vantagem.
Reduzir o tempo de financiamento mantendo o valor das parcelas é, por sua vez, uma opção para aqueles que adotam a modalidade de atualização das parcelas de financiamento, possibilitando ao comprador do imóvel menor dependência da flutuação das taxas de juros. De forma geral, porém, as altas da Taxa Referencial não costumam apresentar grandes impactos no valor total do financiamento.

Amortização pelo FGTS

Muitas pessoas estão utilizando o FGTS para amortizar seu financiamento imobiliário. Mas esta opção requer cuidado, uma vez que se trata de uma espécie de reserva de emergência para situações como perda de emprego ou doenças graves. Do ponto de vista financeiro, esta é uma ótima solução, uma vez que o dinheiro no fundo rende apenas 3% mais que a Taxa Referencial. É importante, porém, preocupar-se em ter uma outra forma de reserva para situações emergenciais.


domingo, 27 de agosto de 2017

Novas medidas dos bancos procuram movimentar mercado imobiliário

Novas medidas dos bancos procuram movimentar mercado imobiliário


terça-feira, 22 de agosto de 2017

Saiba como evitar problemas com financiamento de imóveis

Saiba como evitar problemas com financiamento de imóveis


Quais são as cinco cidades com o metro quadrado mais caro do Brasil

Quais são as cinco cidades com o metro quadrado mais caro do Brasil


Quem pretende comprar um imóvel e, principalmente, quem trabalha no setor precisa estar atento às variações do mercado. Saber o valor médio do metro quadrado das regiões, por exemplo, permite identificar se o proprietário está ou não cobrando um preço dentro da realidade por um imóvel.
Nos últimos anos, sabemos que, de modo geral, houve uma desvalorização dos imóveis residenciais, sobretudo por conta da crise econômica que o país atravessou (e ainda atravessa).
Embora a expectativa seja de crescimento para o segundo semestre, o Índice FipeZap registrou recuo de 0,15% no preço de venda de imóveis residenciais em julho de 2017. No acumulado do ano, a queda é de 0,38%, enquanto a inflação no período subiu 1,34%. 
Confira, na sequência, quais são as cinco cidades com o metro quadrado mais caro do Brasil:
Rio de Janeiro
Há um bom tempo, o Rio de Janeiro no topo da lista das cidades com o metro quadrado mais caro do país. Enquanto a média nacional do metro quadrado está em R$ 7.654, a média da capital do Rio de Janeiro é de R$ 10.028.
É importante reforçar que essa é a média da cidade inteira. Nesse sentido, claro, é possível encontrar uma grande discrepância nos valores de imóveis de acordo com a região. No Leblon, bairro mais caro do Rio de Janeiro, o metro quadrado está em R$ 21.012. Por sua vez, a região de Cavalcanti, a mais barata de todas, a média do metro quadrado é de R$ 2.266.
São Paulo
Diferente de muitas cidades, São Paulo apresentou um avanço tímido de 0,65% no preço de venda de imóveis residenciais no acumulado do ano. O valor médio do metro quadrado na capital é R$ 8.680.
Avaliando os valores por bairros, é possível notar, mais uma vez, uma grande diferença também. Na Vila Nova Conceição, região nobre da cidade, o valor médio do metro quadrado é de R$ 16.480. Já na Cidade Tiradentes, o metro quadrado está em R$ 2.711.
Distrito Federal
Por ser sede do governo federal, Brasília tem um custo de vida bem elevado, o que se estende para o mercado imobiliário. A capital do Brasil conta com o terceiro metro quadrado mais caro do país: R$ 8.345. Vale destacar que esse valor está acima da média nacional, que é de R$ 7.654.
Niterói
A apenas 16 quilômetros do Rio de Janeiro, Niterói também possui um mercado imobiliário bem valorizado. Embora esteja abaixo da média nacional, a cidade tem o quarto metro quadrado mais caro do país: R$ 7.295.
Florianópolis
Fechando a lista das cinco cidades com metro quadrado mais caro do Brasil, aparece Florianópolis. Assim como São Paulo, a capital de Santa Catarina apresentou um crescimento modesto de 0,51% no preço de venda de imóveis residenciais no acumulado do ano. Atualmente, a média do metro quadrado em Florianópolis é de R$6.685.
Enquanto Jurerê Internacional é a região mais cara da cidade, com o metro quadrado avaliado em R$ 9.295, o bairro Rio Vermelho conta com o metro quadrado de R$ 2.207.