terça-feira, 8 de agosto de 2017

Caixa vai liberar mais recursos para construção e para Estados

Caixa vai liberar mais recursos para construção e para Estados

Presidente do banco informou que será oferecida uma linha de R$ 1,5 

bilhão para loteamentos e mais R$ 2,9 bilhões estão sendo negociados com 

governos estaduais e municipais

BRASÍLIA - Em meio ao recrudescimento da crise política, com o presidente da República sendo denunciado pela Procuradoria-Geral por corrupção, a Caixa anunciará a liberação de novos recursos para tentar estimular a economia. O banco deve lançar nos próximos dias uma nova linha de R$ 1,5 bilhão para financiamento de loteamentos. Além disso, também vai liberar empréstimos para Estados e municípios que ainda têm capacidade de endividamento.

De acordo com o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, esses financiamentos podem contribuir para que a retomada da economia não seja interrompida. “O Brasil precisa ter um pouco de tranquilidade e não dá pra interromper este processo”, afirmou. Segundo Occhi, no caso dos loteamentos, os recursos serão do próprio banco, e não do FGTS. Segundo ele, a Caixa já mapeou mais de 500 empresas que poderiam tomar o crédito.
A liberação de recursos viria em um momento de fortes incertezas para a economia. Com a crise política, medidas consideradas essenciais para a retomada da confiança e, consequentemente, do nível de atividade, como a aprovação das reformas trabalhista e previdenciária, passaram a correr mais risco. Os analistas já vêm reduzindo suas projeções de crescimento do PIB tanto deste ano quanto de 2018.
Para os Estados, segundo Occhi, os recursos poderão ser usados para bancar obras de infraestrutura e também reforçar o caixa. Na lista dos contemplados estão o Piauí (R$ 700 milhões), Goiás (R$ 600 milhões), Alagoas (R$ 500 milhões) e Paraná (R$ 100 milhões). A Prefeitura do Rio de Janeiro está negociando um empréstimo de cerca de R$ 1 bilhão.
Em situação financeira delicada, os Estados têm pressionado há tempos o governo para liberação de recursos. E um agrado aos governadores, no momento em que batalhas pesadas precisarão ser travadas no Congresso, pode ser uma forma de angariar mais apoio político.
Lotes. Segundo o presidente do Secovi-SP (Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo), Flavio Amary, a linha para financiar os loteamentos está sendo estudada pelo banco com o setor há três meses. “Financiar o lote urbanizado é fundamental para diminuir o déficit habitacional no País, assim como programas de habitação popular, como o Minha Casa Minha Vida”, afirmou.
José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), afirmou que o setor carece de uma linha de financiamento para viabilizar investimentos de infraestrutura nos lotes, como terraplenagem, esgoto, iluminação e água. De acordo com Martins, esse tipo de crédito poderia aumentar o número de investidores nesse negócio, o que reduziria o preço do valor do terreno, responsável em média por 50% do custo da venda do imóvel.
“Não é qualquer um que tem fôlego para tocar um loteamento, que precisa muito de capital inicial e demora de três a quatro anos apenas para aprovar as licenças necessárias”, afirmou. “Se a linha for desenvolvida para atender a essa necessidade, rapidamente se transformará em obras e gerará novas vagas.”
Juros. A Caixa informou que deve colocar em prática taxas de juros personalizadas para o crédito imobiliário, de acordo com o risco do cliente e da carteira. A ideia é cobrar juros com base no perfil de risco de cada cliente, que pode variar de acordo com o montante do empréstimo, tamanho da entrada e prazo de pagamento.

sábado, 29 de julho de 2017

7 Simples e Eficazes Dicas para Reformar a sua Casa, Passo a Passo!

Todo mundo quando vai reformar pensa por onde começar.
As pessoas precisam de dicas simples, rápidas e eficientes para que ajude a tomar decisões e seguir em frente.
Por isso,  juntamos a experiência e conhecimento de obras para sintetizar as 7 dicas mais relevantes para reformar a sua casa ou apartamento.

1. Inspire-se em fotos de ambientes construídos
Quando vamos reformar nossa casa queremos ideias e fotos de ambientes decorados para inspirar na nossa obra!
Com você também não vai ser muito diferente, afinal, pra que reinventar a roda? Além disso os arquitetos e decoradores são profissionais e uma visão especial em como deixar ambientes bonitos, aconchegantes e que surpreendem as pessoas.
Hoje, com as redes sociais e o compartilhamento de fotos ficou mais fácil ainda ver ótimas salas, cozinhas e quartos que os profissionais compartilham de graça! Sugiro pesquisar no pinterest e instagram. Juntos eles tem um acervo de fotos que vão fazer a diferença na escolha dos materiais de acabamento dos cômodos. Inclusive nos móveis!

 2. Visite um Home Center e pesquise preços de materiais de acabamentos

Mesmo que você já tenha uma ideia de como quer deixar sua casa, aproveite um dia para visitar um Home Center (aquelas lojas que tem tudo de construção) para ver os materiais que estão em alta no mercado e conferir uns preços. Atente-se principalmente para os revestimentos (cerâmicas, azulejos, porcelanatos, laminados de madeira), louças e metais, tintas e texturas e luminárias.
Macete 01: Fotografe os materiais que você gostou e aproveite para anotar o preço.

 3. Faça um projeto de reforma


Vale a pena contratar uma arquiteta ou decoradora para fazer um projeto de reforma, com um layout e detalhamento dos ambientes.
Esse é um tipo de profissional que você encontra de todos os preços, de R$500, R$5000 e até R$50.000 ou mais. A dica é procurar um bom custo benefício.
Macete 02: Se você não está com muito dinheiro para investir em um projeto de decoração, opte por um profissional recém-formado ou que esteja próximo de concluir o curso. Você vai conseguir um bom preço pelos projetos.

 4. Planeje sua reforma

Quando eu falo em planejamento as pessoas já pensam logo em cronogramas complexos, cheio de números e de difícil entendimento. Calma! O planejamento da sua reforma não é desse tipo.
É mais simples do que você pensa.
Em uma folha de papel ou uma tabela de Excel você deve planejar os seguintes itens:
  1. Data de início da reforma
  2. Duração da reforma
  3. Data de término da reforma
  4. As etapas da reforma (ex: trocar o piso da sala, repintar o apartamento, trocar luminárias)
  5. Custo estimado de material
  6. Custo estimado de mão-de-obra
  7. Custo total da reforma
Com apenas esses 7 itens você já terá um controle maior sobre o andamento e custo da sua reforma.
Macete 03: Controle muito bem o custo da sua reforma para não estourar seu orçamento! Muita atenção nesse ponto, é muito comum as reformas ficaram 30%, 50% e até 100% mais caras porque não se planejou o custo.

 5. Faça o orçamento de todo o custo


Quando falo em “todo o custo” estou falando de Material e mão-de-obra.
Os custos de mão-de-obra dos profissionais da construção subiram muito nos últimos anos. Por isso,pesquise bem os preços de mão-de-obra e não se assuste com os valores.
Macete 03: Há vários profissionais de construção além do pedreiro. O pedreiro não é um faz tudo (muitos até tentam, mas não tem a mesma qualidade em todos os serviços de uma obra). Serviços específicos devem ser feito por profissionais específicos. Por exemplo: pintura (pintor), instalação de pisos laminados (instalador), parte elétrica (eletricista), parte hidráulica (encanador).

 6. Vai criar ou derrubar paredes?

Consulte um engenheiro de estruturas! Lembra que em 2013 um prédio desabou no centro do Rio de Janeiro porque em uma reforma retiraram uma viga? Pois então, para retirar uma parede, fazer furo em laje, criar um segundo andar na casa é preciso que seja feita a verificação da estrutura existente.
Se você for criar novas paredes com uma nova divisão dos cômodos atenção para o tipo de material que você vai utilizar. As paredes podem ser em alvenaria de tijolos, blocos de concreto, blocos de concreto celular (mais leves), drywall (gesso acartonado).
Macete 04: Paredes em Drywall, são leves, dispensam reboco e não geram sujeira. 
Você mora em prédio? Toda reforma deve ser comunicada ao síndico
Essa informação eu tenho certeza que está no Estatuto do seu condomínio. Também, a partir abril de 2014 entrou em vigor a norma NBR 16.280:2014 Reforma em Edificações, que prevê essa comunicação para prédios e, também, que toda reforma deve possuir um responsável técnico (engenheiro ou arquiteto). Fique atento!

 7. Um cômodo de cada vez


Essa é a minha dica preferida. Toda reforma já traz desconforto, dor-de-cabeça de obra e sujeira por toda a casa.
O melhor é reformar um cômodo de cada vez, para que os trabalhos fiquem concentrados em um ponto da casa, gerando menos transtorno.
Essa dinâmica deve ser avaliada caso a caso, por isso, vou dar dois exemplos:
  • Piso: Você vai trocar todo o piso da sua casa. Substitua o piso de um cômodo por vez e instale o novo. É muito comum o profissional quebrar todo o piso da casa e vir instalado o novo aos poucos (sem necessidade nenhuma).
  • Pintura: faça um cômodo por vez. Prepare a parede, masse, sele, aplique a tinta ou textura. Em seguida, faça o outro cômodo. Há pintores de lixam toda a casa primeiro, depois corrigem a massa toda, em seguida selam toda a casa, para depois pintar tudo. Viu a diferença?

O que esperar do mercado imobiliário no segundo semestre de 2017?


O que esperar do mercado imobiliário no segundo semestre de 2017?


sábado, 22 de julho de 2017

Reforma de apartamento: dicas e cuidados

Reforma de apartamento: dicas e cuidados



Cedo ou tarde todo mundo precisa dar aquela reformada no apartamento, nem que seja só para reforçar a pintura das paredes ou revestir o piso. E os motivos são os mais variados possíveis: o quadro elétrico do apartamento antigo já não atende às necessidades atuais; o vazamento do banheiro já está manchando as paredes; o dono não aguenta mais a mesma decoração de anos e por aí vai.
Além de dar um aspecto novo ao apartamento, uma reforma mais completa pode valorizar o imóvel em até 40%. Trata-se de uma boa estratégia para o proprietário que pensa em vender o apartamento a curto e médio prazo. Afinal de contas, as pessoas estão mais dispostas a pagar um valor mais alto por um imóvel reformado do que desembolsar uma quantia menor por um apartamento cheio de problemas a serem resolvidos.
Não é por menos que os brasileiros gastaram, entre janeiro e maio deste ano, 594 milhões de reais em reformas, segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Mas nem tudo são flores. Dor de cabeça é um sintoma comum e frequente durante uma obra, principalmente para quem decidiu fazê-la às pressas. Portanto, mais do que bom gosto, reformar o apartamento demanda muito planejamento e paciência por parte do proprietário.
Para evitar (ou amenizar) essa dor de cabeça, confira algumas dicas e cuidados que você deve ter ao reformar seu apartamento:
Planejamento
Antes de dar início às obras, faça um planejamento. Nele, é preciso constar quais são seus objetivos com a reforma, como criar um escritório para fazer home office. Na sequência, coloque todos os gastos (mão e obra e compra de material) na ponta do lápis e faça um orçamento. Com regras bem definidas, dificilmente seu projeto vai estourar o limite de gastos pré-definido.
A escolha dos profissionais da obra
Boa parte da dor de cabeça durante a obra acontece por conta de problemas com empreiteiros e suas equipes. Como em qualquer setor, existem bons e maus profissionais. Para não ter problemas com atraso e resultados indesejados, procure entrevistar mais de dois empreiteiros antes de fechar negócio com qualquer um. Ouvir recomendações de amigos, familiares e vizinhos também é uma maneira mais segura de contratar bons profissionais.
Normas da ABNT
Numa tentativa de evitar acidentes edificais, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)estabeleceu uma série de normas. Todas as reformas em apartamentos que mexem com a estrutura do edifício demandam a presença de um laudo técnico elaborado por um profissional comprovadamente formado, seja um arquiteto ou um engenheiro.
Como a ABNT não tem poder para fiscalizar nem aplicar multas, essas normas servem apenas como parâmetro para profissionais e síndicos. Quem descumpri-las só fica sujeito a punições caso os órgãos municipais as incluam nos regramentos de reforma.
Vale reforçar, mais uma vez, que pequenos reparos, como pintar paredes, colocar gesso no teto e trocar fechaduras e portas, não precisam atender às exigências da ABNT.
Pintura nas paredes
Se a sua intenção é tirar as manchas das paredes que se acumularam ao longo do tempo, aposte em cores claras e neutras. Elas dão um aspecto de limpeza e uma sensação de ampliação do cômodo. Além disso, quando for vender o imóvel, essas cores são mais seguras para agradar possíveis compradores.
Impermeabilização
Não se esqueça de impermeabilizar, durante a reforma, as partes da casa que entram em contato com água para evitar infiltrações. Deixar esse processo para depois encarece as obras, além de serem difíceis de fazer. Em outras palavras, é mais dor de cabeça!
Quadro elétrico
Quem mora em apartamentos mais antigos deve se preocupar com o quadro elétrico. Isso porque esse tipo de imóvel não costuma atender à atual demanda de eletrônicos. Portanto, procure ampliar os pontos de elétrica, rede e cabeamento para evitar sobrecargas lá na frente.
Financiamento
Você ainda não começou a reforma no imóvel por conta da falta de dinheiro? Uma alternativa para começá-la o quanto antes está em recorrer às linhas de crédito oferecidas por bancos públicos e privados. Elas são menos onerosas do que do que entrar no cheque especial e estourar o cartão de crédito.
De modo geral, essa modalidade de financiamento está disponível para reforma e ampliação de residências, e o valor máximo pode chegar a 100% do custo da obra. Antes de fechar o empréstimo, faça as contas e veja qual instituição financeira apresenta as melhores condições para a sua situação.
Agora, mãos à obra! 

O que influencia no valor de um imóvel?

O que influencia no valor de um imóvel?


Quem busca imóveis pela internet já deve ter reparado que os preços variam bastante. Até imóveis de uma mesma região ou apartamentos de um mesmo prédio apresentam valores bem distintos. 
Aqui, é possível resumir que o que determina o preço de um imóvel é a famosa Lei da Oferta e Procura: quanto mais interessados em comprá-lo, maior será o seu valor. Mas não sejamos tão simplistas assim. Por trás do valor de um imóvel, está um conjunto de fatores internos e externos. 
Esses fatores podem tanto valorizar quanto depreciar um apartamento ou uma casa. Confira mais detalhes a seguir:
Localização
Em uma cidade grande como São Paulo, onde o trânsito é caótico, morar próximo do trabalho e do estudo é um sonho. Ter acesso fácil ao transporte público e a serviços de banco e supermercados também desperta o interesse de possíveis compradores, o que valoriza os imóveis dessa região. 
Pelo menos, essa lógica vale aos imóveis de médio padrão. Quando o assunto é casas de luxo, estações de metrô e comércio impactam negativamente no preço da propriedade, uma vez que esse público busca morar em áreas sossegadas, com baixo fluxo de pessoas.
Segurança
Todos querem estar seguros dentro da própria residência. Nesse sentido, prédios com uma equipe de seguranças e casas com vigilância noturna na rua elevam o valor do imóvel. Por outro lado, bairros que apresentam alto índice de criminalidade costumam ter imóveis de baixo valor.
Lazer
Cada vez mais, as pessoas buscam se divertir sem sair de casa. Por isso, condomínios que têm áreas de lazer, como playground, quadra poliesportiva, piscinas e churrasqueiras, tendem a custar mais. As varandas gourmet também entram nessa mesma linha de raciocínio.

Estado de conservação do imóvel
De um lado, um apartamento com iluminação e sistema hidráulico moderno e recém-reformado. Do outro lado, um apartamento – no mesmo condomínio – com paredes manchadas, vazamento nos banheiros e móveis deteriorados. Não precisa nem falar qual vale mais, né?
Um imóvel que não apresenta um bom estado de conservação implica reformas futuras. Então, se um apartamento está avaliado em 800 mil reais, mas sua reforma custará 100 mil reais, um interessado consegue comprá-lo por 700 mil reais.
Estado de conservação da fachada
Seguindo o mesmo raciocínio do tópico acima, fachadas de prédios e casas também impactam no valor do imóvel. Muros pichados, por exemplo, já afastam muitos potenciais compradores daquele imóvel. Aí, quanto menor é a procura, menor será seu preço.
Imóveis na planta
Mesmo em prédios que ainda nem foram lançados, pode haver uma diferença de preço entre as suas unidades. De modo geral, os andares mais altos costumam custar mais do que os mais térreos. Isso porque uma vista mais limpa e o abafamento de ruídos externos elevam seu preço.

domingo, 9 de julho de 2017

Santander Vai Lançar Estratégia Para Crédito Imobiliário Com Juro Abaixo De 10%

O banco Santander, que é o quarto maior em crédito imobiliário no país, vai lançar uma nova estratégia para o segmento, que inclui taxa de juros para financiamento abaixo de 10% ao ano e um sistema de pedido de empréstimos totalmente digital, pelo celular. A informação é do presidente Sérgio Rial, durante o XVI Encontro Santander América Latina. A nova taxa de juros – atualmente o número fica perto de 11%, 11,5% ao ano – passa a valer nesta sexta-feira.
 Acreditamos que o segmento imobiliário será o que vai reagir primeiro no crédito. Nesta quinta-feira, vamos lançar uma iniciativa com 50 incorporadoras para lançamentos de empreendimentos financiados abaixo de 10%. O modelo de aplicativo vai reduzir drasticamente o tempo de concessão do crédito imobiliário. Hoje o prazo médio é de 90 a 120 dias. Nossa ideia em um primeiro momento é reduzir para 60 dias — afirmou Rial.
A taxa de juros abaixo de 10% é inicialmente promocional, mas a ideia do banco é que possa se tornar permanente. A estratégia é se preparar para o período de pós-crise e a retomada do crédito imobiliário. Além do novo sistema para pessoas físicas – que poderão enviar os documentos digitalizados –, há um novo programa diretamente para as empresas, para o financiamento dos lançamentos residenciais, também com taxa de juros de um dígito. Se os projetos incluírem reúso de água e fontes de energia renováveis, terão direito a uma taxa ainda maior.
Quer saber como ajudar seu cliente a conseguir financiamento e ainda ganhar comissão com essa operação? – clique aqui
CRESCIMENTO DO BANCO
Rial reforçou sua aposta na continuidade do crescimento do Santander no Brasil, mas disse que isso não passa necessariamente por novas aquisições. Mais cedo, a presidente mundial do banco, Ana Botín, disse que há espaço para crescimento orgânico no Brasil. Ele negou que haja qualquer negociação no momento para compra de compra de plataformas de investimento digital, embora reconheça que o banco está sempre de olho em oportunidades. Rumores de mercado sugeriam interesse da instituição no Banco Original.
— O Brasil é grande o suficiente para ter um terceiro banco privado. Somos uma alternativa e estamos fazendo um importante trabalho de base, muito focado na experiência do cliente e no lado digital. Estou super confiante com o crescimento do banco: os outros cresceram menos. (…) O banco não precisa comprar ninguém para continuar crescendo, não sou um grande comprador. (…) Mas eu olho tudo.

DOAÇÃO EM VIDA PODE SAIR MAIS BARATO QUE INVENTÁRIO

Conheça Os Custos Envolvidos Em Cada Caso E Compare Os Dois Procedimentos


Quando se fala em herança, muita gente pode estremecer. Mas a verdade é que esse assunto delicado deve ser tratado com muita atenção e cuidado por quem chega à aposentadoria com um bom patrimônio acumulado. Isso porque uma falta de planejamento pode pesar muito no bolso da família. Veja como planejar a melhor maneira de deixar bens aos herdeiros.
Doação X Inventário
A partilha pode ser feita ainda em vida, por meio de doação ou de um plano de previdência privado, ou após a morte, com ou sem testamento, por meio de um inventário.
Em geral, a primeira forma sai a mais em conta. Planos de previdência privada são transferidos automaticamente para os beneficiários, sem custo algum além do IR que incide sobre o resgate.
Doações, por sua vez, são isentas de IR quando o valor de avaliação do bem doado não sofre variação da Declaração de Bens e Direitos do beneficiário em relação à Declaração de Bens e Direitos do doador no ano anterior. Caso o bem doado sofra valorização, é preciso pagar IR de 15% sobre a diferença.
Cada doação realizada em vida pressupõe também o pagamento de um tributo estadual chamado Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD), cuja alíquota é geralmente de 4% sobre o valor do bem. Também pode haver gastos com escritura e registro em cartório para bens que necessitem desse tipo de documento, como imóveis.

Entenda as regras para doar bens a pessoas físicas e instituições de caridade.

Em São Paulo, por exemplo, a doação de um imóvel urbano de 500.000 reais sofreria a cobrança de 20.000 reais só de ITCMD (segundo a alíquota de 4%). A escritura, por sua vez, não sai por menos de 2.738,09 reais. Se o imóvel estiver avaliado em um milhão de reais, o beneficiário terá que pagar 40.000 de ITCMD e uma escritura de 3.025,50 reais.
Parece caro? Pode até ser, mas abrir um inventário para transmitir os bens pode sair ainda mais salgado. Fora que a mordida no bolso acontece de uma só vez, enquanto que doações feitas aos poucos aos herdeiros podem diluir esses gastos.
O que pesa mais no valor dos inventários são os honorários advocatícios, pois é obrigatório o acompanhamento de um advogado tanto nos processos judiciais quanto nos extrajudiciais. Os honorários correspondem a um percentual do patrimônio e são de livre acordo entre as partes, mas podem seguir a tabela da OAB de cada estado. “O valor dos honorários dificilmente ultrapassa 20% do valor total dos bens”, diz o advogado Euclides de Oliveira, especializado em família e sucessões.
Os inventários extrajudiciais são concluídos em pouco tempo, mas reunir todos os documentos requeridos pode ser bem demorado. As condições para fazer o processo em cartório são a inexistência de herdeiros menores ou incapazes, de testamento e de discordâncias sobre a partilha. Nesse caso, os custos, calculados sobre o valor total do patrimônio, incluirão a escritura de inventário, o ITCMD, os emolumentos cartoriais para registro de imóveis e os honorários do advogado.
Já os processos judiciais podem ser bem mais demorados. Os mais rápidos demoram de um a dois meses para serem concluídos. Mas de acordo com Euclides de Oliveira, a média de duração é de um ano. “Há histórias de inventários que levaram até dez anos para serem concluídos”, conta o advogado Daniel Martins dos Santos, do escritório Roberto Chiminazzo Advogados Associados.
Esse tipo de inventário é obrigatório se houver herdeiros menores de idade, litígio sobre a partilha ou testamento. As despesas aí incluem, em vez da escritura, as custas judiciais, proporcionais ao valor da herança, além do ITCMD, dos honorários e dos emolumentos cartoriais para registro de imóveis.
Entre doar os bens separadamente e abrir um inventário extrajudicial pode haver boas diferenças no total gasto com escrituras e registros. No primeiro caso, quanto mais imóveis forem doados, mais escrituras e registros serão feitos, mas os valores dos documentos dependerão exclusivamente do valor dos imóveis. A escritura de inventário, por outro lado, é uma só, mas seu valor é calculado sobre o valor total da herança, incluindo possíveis quantias em dinheiro.
Para saber se vale a pena doar, a soma dos honorários e das despesas cartoriais num eventual processo de inventário deve ser superior à soma dos valores das escrituras e registros dos bens doados ao longo dos anos. Quem quiser simular seus gastos pode requerer a tabela de despesas em um tabelionato.
Vamos fazer uma comparação, considerando uma pessoa com um patrimônio de 2.800.000 reais, assim divididos: três imóveis, sendo um de um milhão de reais, um de 500.000 reais e um de 300.000 reais, além de uma quantia em dinheiro e aplicações no valor de um milhão de reais. Vamos considerar valores de 2010 no estado de São Paulo: alíquota de 4% de ITCMD e honorários de 6% sobre o patrimônio, segundo tabela da OAB-SP.
Se houver meação – a parte que cabe ao cônjuge quando o casamento se dá em comunhão total ou parcial de bens – é preciso deduzir o valor dessa porção do total do patrimônio, pois essa quantia não deverá ser tributada ou incluída no cálculo dos valores das escrituras. Se não houver meação, no entanto, os custos serão os seguintes:

sábado, 8 de julho de 2017

Facebook irá construir 1,5 mil residências no Vale do Silício

A escassez de moradias no Vale do Silício, na Califórnia, ficou tão grave que o Facebook propôs na sexta-feira (07/07) construir pela primeira vez 1.500 residências perto de sua sede.
O crescimento do Facebook, e da dona do Google, Alphabet, entre outras empresas de tecnologia, provocou tensões na vizinhança da baía de San Francisco, que não estava preparada para um fluxo de dezenas de milhares de trabalhadores durante a última década. Os preços das casas e o tempo de viagem aumentaram.
As empresas de tecnologia responderam com medidas como ônibus equipados com internet para funcionários que enfrentam longas viagens. O Facebook ofereceu pelo menos 10 mil dólares em incentivos aos funcionários que vivem próximo aos escritórios da empresa.
Essas medidas, no entanto, não reduziram as queixas de que as empresas de tecnologia estão tornando a vizinhança extremamente cara e, na maioria das vezes, não resolvem a falta de residências na área.   
"O problema é que não há oferta suficiente no Vale do Silício para acompanhar a demanda", disse Sam Khater, economista da empresa de pesquisa imobiliária CoreLogic.
Com o plano de construção do Facebook, a empresa disse que queria investir em Menlo Park, cidade a cerca de 72 km ao sul de San Francisco, para onde se mudou em 2011.
A empresa afirmou que deseja construir uma "vila", que também terá espaço para escritório e para comércio.
"Parte da nossa visão é criar um bairro que forneça os serviços comunitários necessários", afirmou John Tenanes, vice-presidente de Instalações Globais do Facebook, por meio de um comunicado.
As 1.500 residências do Facebook estarão abertas a qualquer um, e não apenas aos funcionários, e 15% delas seriam oferecidas a taxas abaixo do mercado, segundo a empresa. A expectativa do Facebook é que esse processo leve cerca de dois anos.
A Alphabet, por outro lado, deu um passo menor, comprando 300 unidades de apartamentos modulares para habitação de funcionários de curto prazo, informou no mês passado o Wall Street Journal.
A prefeita de Menlo Park, Kirsten Keith, disse em uma entrevista que havia preocupações em relação ao aumento do tráfego com o plano do Facebook, um assunto que o departamento de planejamento da cidade iria estudar.
Ela disse, no entanto, que o plano do Facebook se encaixa no próprio plano de desenvolvimento a longo prazo da cidade, e que a cidade estava entusiasmada com a habitação adicional.
De acordo com Tenanes, o desenvolvimento proposto poderia atrair também investimentos em projetos de trânsito.

Hipoteca: Tudo que você precisa saber


Hipoteca, também conhecida como “crédito com garantia de imóvel”, ou “refinanciamento imobiliário”, consiste em um tipo de empréstimo no qual o devedor dá um imóvel como garantia para assegurar o pagamento da dívida. Normalmente, essa operação costuma ser indicada para quem precisa pagar valores muitos altos.

Funcionamento

Antes de tudo, o banco examinará os documentos do imóvel e do solicitante do empréstimo. Depois fará uma vistoria na propriedade. Além disso, verificará se o proprietário não está com o nome sujo.
Os imóveis residenciais são os mais comuns de serem aceitos, porém, em algumas instituições, também é possível dar imóveis comerciais como garantia.
Após a autorização do banco, o cliente pode pegar o dinheiro. Assim como qualquer outro tipo de empréstimo, devolverá o valor em parcelas com juros.

Benefícios

Entre os benefícios estão o de garantir um empréstimo alto e um grande prazo de pagamento, podendo pagar em até 30 anos.
Como existe um imóvel em garantia, o banco, normalmente, cobra juros menores nestas prestações.

Riscos

O maior risco é a perda do imóvel, que ocorre caso não se consiga pagar uma parcela do empréstimo.
“Pela lei, uma prestação não paga já é o suficiente para fazer o cliente perder a casa. Mas os bancos costumam esperar de três a quatro prestações em atraso para tomar essa atitude”, comenta Tatiana Viola de Queiroz, advogada da Associação Proteste.
Ou seja, quando fizer uma hipoteca é muito importante já ter um planejamento econômico bem feito, senão você poderá ter um grande problema.

4 dicas para te ajudar a escolher um corretor de imóveis confiável


Verifique se o corretor de imóveis tem registro no Creci

Escolha um profissional com experiência

Procure referências

Opte por um perfil compatível com o seu

domingo, 2 de julho de 2017

5 dúvidas de quem quer comprar casa própria em tempos de crise


Vale a pena esperar o mercado melhorar?

Preciso de ajuda na negociação?

Quando devo desconfiar de uma proposta?

Como saber se fiz a escolha certa?

Como é o retorno de investimento em imóveis

Locação

Segurança

Reserva e aposentadoria

Atenção para a remuneração

Reajustes